Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

FIFTY SHADES OF VANESSA PAQUETE

FIFTY SHADES OF VANESSA PAQUETE

THE CROWN CHEGA DOMINGO A NETFLIX ; ENTRE DIANA E MARGARET THATCHER AS PAREDES DO PALÁCIO DE BUCKINGHAM VÃO TREMER

The Crown I.png

A quarta temporada de The Crown de Peter Morgan enfrenta talvez o maior desafio até agora. A década de 1980 foi uma das décadas mais documentadas, catalogadas, debatidas e escrutinadas da Casa de Windsor. Morgan vai, sem dúvida, estar ciente dos espectadores que usam lentes eximías para, mais uma vez, ver se os criadores do programa “acertam”ou incorrem em erros.

A quarta temporada é um triunfo de precisão combinada com invenção criativa que continua o processo do programa de recentralização da Rainha (Olivia Colman). Os principais rivais da rainha Elizabeth II no palco são a primeira-ministra Margaret Thatcher (interpretada de forma deslumbrante por Gillian Anderson) e Lady Diana Spencer (interpretada minuciosamente pela recém-chegada Emma Corrin).

Os padrões de produção, fundição e atuação são excelentes; a estrutura do roteiro jão tão bem conhecido pelos fãs da série; os trajes militares não possuem um único defeito e eles até acertaram no cabelo e na voz de Diana.

PRC_167349656.jpg

 

A série gira muito em torno do II episódio : O Teste de Balmoral. Thatcher e Diana devem adaptar-se ao protocolo durante a mudança anual dos Windsors para Balmoral, na Escócia. As cerimônias de iniciação aparentemente engraçadas disfarçam um processo profundamente sério de verificação da adequação para entrar na esfera real. Trarão elas calçados e roupas certas para a vida no campo? (Diana sim, Thatcher, não). Saberão elas que o jantar é às 20h, não às 18h ?; que ninguém deve se sentar na cadeira da Rainha Vitória? (Thatcher, não).

A realeza ama desportos sangrentos, como pesca , caça às perdizes e - talvez o mais sangrento de todos - caçar após o jantar? (Um grande “não” para Maggie; Diana prova ser melhor tranformando a sua repulsa em bom fingimento).

Os rituais de iniciação revelam a ignorância da realeza sobre a mudança social sísmica que está a ocorrer na Grã-Bretanha. A ascensão de Thatcher para Downing Street sinalizou o surgimento de um sistema que reconhecia a validade da meritocracia sobre a aristocracia, até mesmo sobre a monarquia.

thecrownfas_20201112_160014_2.jpg

A rainha de Colman começa a divertir-se começando por puxar a patente e o tapete debaixo dos pés enlameados de Thatcher durante o seu sombrio verão em Balmoral, mas o seu poder é imponente. A Margaret Thatcher, movida a uísque de Gillian Anderson é indomável; o andar mandão e a voz gutural deliberadamente modulada. atingem-nos em cheio. As duas pessoas mais poderosas do país são mães. Ou, como diz Denis Thatcher: "Duas mulheres na menopausa - será uma viagem tranquila." Peter Morgan até consegue fazer Thatcher parecer simpática, após um fim de semana de teste medonho em Balmoral, com os Jogos da Realeza a imperar e o protocolo a gerar caos e embaraço nas recém chegadas Margaret e Diana.

Durante o Encontro de Chefes de Governo da Comunidade Britânica de 1985, a Rainha ultrapassa o seu papel constitucional e pressiona a ação política; as lágrimas da PM colocam a Rainha no seu lugar com um nível de imperiosidade gélida que teria envergonhado a rainha Vitória.

As cenas entre Anderson e Colman são fascinantes.

fanroyalfamily_20201113_174021_0.jpg

A 4 temporada mostra a agitação cívica no Reino Unido durante um período de alto desemprego e os confrontos sobre os gastos nacionalistas em empreendimentos como a Guerra das Malvinas.

O quinto episódio  traz esse fio narrativo junto com a invasão ao Palácio de Buckingham por um londrino desempregado e socialmente despossuído, Michael Fagan (Tom Brooke). Depois de escalar as paredes do palácio, ele senta-se na cama da rainha: um símbolo do sangramento e da destruição da Grã-Bretanha sob o governo Thatcher.

O outro grande enredo é o namoro e casamento de Charles (Josh O'Connor) e Diana. Durante a sua primeira visita a Balmoral, Diana é submetida a um de seus primeiros testes. Ela e Philip (Tobias Menzies) perseguem cervos, juntos, com o objetivo de acabar com um cervo imperial que foi gravemente ferido por um caçador "estrangeiro". 

Com a ajuda de Diana, Philip despacha o cervo de forma limpa. A dupla real retorna a Balmoral antes de uma procissão do animal morto agora amarrado às costas de um cavalo - uma premonição inquietante do que será o caixão de Diana em seu cortejo fúnebre 17 anos depois.

fanroyalfamily_20201113_174021_1.jpg

Tendo sido um dos primeiros aliados de Diana , Philip começa a ler o livro de regras a Diana quando a princesa ameaça explodir Philip diz : "Todos neste sistema estão perdidos, solitários, irrelevantes, [um] estranho, além de uma pessoa, a única pessoa que importa. Ela é o oxigênio que todos respiramos, a essência de todos os nossos deveres. O seu problema [...] é que você parece confuso sobre quem é essa pessoa."

O duque de Edimburgo, com um rosto de ferro  (Tobias Menzies) está, como sempre, a castigar o seu filho, o Príncipe de Gales.Claramente, ele acha que Diana é a parceira perfeita para entrar na FIRMA:  " Foi há 40 anos, late o duque, que um rei teve de abdicar por causa de uma mulher casada; Carlos queres realmente que a história se repita? "

Esse empurrão temporal de repente lembra-nos que essa cena também está a quatro décadas de distância. À medida que a ação de The Crown da Netflix passa para a memória viva, assistir parece mais lascivo do que nunca. Escrevendo de seu castelo em Co Sligo, Lord Mountbatten exorta Carlos a esquecer a Sra. Parker-Bowles e encontrar alguém “doce, inocente e bem-humorado” para se casar, pouco antes de entrar nas suas roupas de velejar, simplesmente, para ser vítima de um atentado terrorista que lhe ceifa a vida. As palavras de Dicky ficam gravadas na mente de Carlos . 

A cena final mostra Diana sob a imagem de um veado emoldorado numa  parede, os seus chifres parecendo ser os de Diana. A mensagem é clara: os assassinos contra os quais Diana precisa ficar de olho podem espreitar dentro das paredes do palácio.

thecrownfas_20201112_160436_0.jpg

É comovente e inteligente que não consigamos ver uma recriação completa do “casamento de conto de fadas do século”. O Carlos e a Diana que encontramos em St Paul estão lá apenas para o ensaio do casamento, Diana à paisana e com véu e cauda de casamento falsos, os votos de casamento do ensaio interrompidos e não ditos.

Esta é a noiva despida, o casamento terminado antes mesmo de começar. O resto da realeza exibe graus de dor e solidão, todos ansiando por afeto, reconhecimento e significado. A princesa Margarida continua a festejar e a sofrer muito. O casamento da princesa Ana (quase imperceptível em todas as quatro temporadas) desaparece por completo. O príncipe Andre surge como um bufão presunçoso e intitulado (venha daí a 7 temporada); e Camilla é, para dizer no mínimo, ambígua sobre o seu futuro com Carlos.

Princess-Diana-Emma-Corrin-The-Crown.jpg

A omissão de quase toda a família Spencer na preparação para o casamento é curiosa: a noiva torna-se na pequena órfã Diana assim que ela se muda para o palácio, com apenas a severa avô Lady Fermoy (Georgie Glen) por perto para ajudar. Deixada por conta própria e solitária, Diana anda de patins ao longo das exuberantes carpetes do Palácio de Buckingham, ouvindo música pop em seu Walkman. Seja ou não verdade, como drama atinge exatamente a nota certa.

TheCrownII.png

Texto & Crítica: Vanessa Paquete 2020 ©
Getty Images ©
Pinterest ©

 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.