Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

FIFTY SHADES OF VANESSA PAQUETE

FIFTY SHADES OF VANESSA PAQUETE

PORTUGAL VOLTOU A SER ANFITRIÃO NA REALIZAÇÃO DA RED BULL AIR RACE E O PORTO ENCHEU-SE DE UM MAR DE GENTE NUM FIM DE SEMANA DE INESQUECÍVEL

Sem Título3.jpg

 

Portugal voltou a ser anfitrião na realização da Red Bull Air Race. As cidades do Porto e de Vila Nova de Gaia encheram-se de turistas, entusiastas, transeuntes e os seus orgulhosos habitantes que, viram, uma vez mais, as margens do rio Douro colorirem-se com uma moldura humana singular, apenas superada, unicamente, pela beleza incomparável dos aviões que rasgaram os céus da cidade invicta.

 

Pelas margens do rio Douro, encontravam-se milhares de espectadores, fotógrafos nacionais e internacionais, comunicação social, patrocinadores e equipas afiliadas ansiosas por contemplarem os aviões acrobáticos high-end tais sobrevoarem os céus e gladiarem-se entre si, porque, afinal de contas, a Red Bull Air Raice – por mais bela e espetacular que se possa afigurar aos nossos olhos - trata-se de uma feroz competição dos ases do céu!

 

As provas realizadas nas cidades do Porto e Vila Nova de Gaia, entre a Ponte da Arrábida e a Ponte D.Luís I foi um projeto organizado em concluo entre as câmaras de ambas as cidades em parceria com a Red Bull Internacional (sedeada na Áustria). Pelo sucesso que atingiu em anos precedentes, quer em termos nacionais como internacionais, esta prova é considerada um dos maiores eventos desportivos a colocar Portugal no mapa.

 

21192449_10155752212822320_3782050277197479743_n.j

 

21230993_10155752220992320_1126968130284746642_n.j

 

21232128_10155752216522320_6526691473679940604_n.j

 

À semelhança das provas realizadas na Hungria, em Budapeste, as provas da Red Bull Air Race realizadas em Portugal, nestas duas cidades, foram as que maior impacto internacional registaram até ao momento no histórico destas corridas. O céu azul límpido, o clima mediterrânico ameno e a beleza ilustrada pelas margens do rio Douro, não deixam margens para dúvida, do ambiente cosmopolita e turístico que tais eventos trazem ao nosso país.

 

Em 2009 a corrida contou com 600.000 espectadores (números oficiais da PSP), sendo que no dia de qualificações bateu um novo recorde mundial com 250.000 espectadores. A taxa de ocupação hoteleira no grande Porto próxima dos 100% e a da restauração completamente lotada em ambas as margens (Porto e Gaia) e, embora, este ano, os números ainda não estejam apurados estima-se que o recorde tenha sido ainda superior.

 

Como em qualquer competição, contratempos sucederam!

 

Embora, as BOXS e pista de descolagem tenham sido construídas no Parque da Cidade Invicta, devido a direção do vento, os pilotos e seus respetivos aviões tiveram de ser transferidos para o aeródromo da Maia e efetuarem a descolagem a partir de lá. O espanhol Juan Velarde, ao aterrar na pista do Parque da Cidade do Porto danificou uma hélice que no Sábado o afastou da competição. Embora todos os esforços tenham sido feitos por parte da equipa espanhola, inclusive a chegada de um novo motor e um longo trabalho noturno, hoje, o nevoeiro que se fazia sentir na cidade de Matosinhos impossibilitou o madrileno de efetuar o teste de voo (de meia hora pelo menos), acabando tristemente por o desclassificar da prova.

 

Sem Título4.jpg

 

A ideia do Red Bull Air Race ocorreu aproximadamente em 2001, depois dos esforços da Red Bull de criar um evento novo da aviação. O alvo do evento era desafiar alguns dos melhores pilotos do mundo em velocidade, precisão e habilidades acrobáticas. Com estes critérios, a Red Bull aproximou-se de Péter Besenyei, então campeão por duas vezes do Campeonato Mundial de Acrobacias, procurando usar as suas habilidades e a sua experiência para adaptar o conceito às situações reais da corrida. Dois anos de planeamento culminaram na primeira Red Bull Air Race que ocorreu em Zeltweg, Áustria em 2003 durante a mostra de AirPower.

 

Embora o americano Kirby Chambliss fosse o preferido a subida do pódio em primeiro lugar, a verdade, é que acabou por perder em velocidade para o canadiano Pete Mcleod e o australiano Matt Hall, nem chegando a aproximar-se do pódio sequer. O grande vencedor foi o checo Martin Sonka que sobrevoou acima do rio Douro em tempo recorde, atravessando as air gates sem penalização.

 

O evento emocionante atraiu multidões e foi transmitido em exclusivo pela SIC, que não só fez a cobertura de toda a emissão e provas, como ainda deu uma voltinha nos aviões, testando alguns dos seus colaboradores a adrenalina de uma prova do gênero.

 

Sem Título2.jpg

 

21231048_10155752216047320_1893982885356105199_n.j

 

Sem Título1.jpg

 

 

21270948_10155752212352320_3319195934098264192_n.j

 

21231284_10155752219247320_8110863883769162711_n.j

 Obrigado ao fotógrafo Miguel Amorim por ter permitido que eu exibisse o seu exímio trabalho.

 

Texto & Crítica: Vanessa Paquete 2017  ©

Fotos: Miguel Amorim ©
Flyers: Vanessa Paquete

Todos os Direitos Reservados ®

 

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.