Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

FIFTY SHADES OF VANESSA PAQUETE

FIFTY SHADES OF VANESSA PAQUETE

MARTIN SCORSESE FINALMENTE IRÁ ESTREAR EM DEZEMBRO O SEU TÃO AGUARDADO FILME "SILENCE" ACERCA DE DOIS PADRES JESUÍSTAS PORTUGUESES

silence-andrew-garfield.jpg

 

Quem diria que o maior sonho de um icônico e galhardeadíssimo realizador de cinema, como Martin Scorsese, seria empreender um filme acerca de dois padres jesuítas portugueses?


No entanto, é-o!


E já se fazem apostas para os Óscares, embora a estreia, esteja anunciada só para o final do ano, como de resto, alguns dos restantes filmes, que mesmo sem se terem estreado ainda já são considerados pseudo-favoritos!


Após uma acidentada rodagem, o realizador Martin Scorsese de formação católica, apresentará em dezembro o drama de dois jovens jesuítas portugueses ;
 um filme que está na mente do cineasta desde 2004 e que contará o drama dos cristãos perseguidos no Japão dos samurais.


Scorsese, de formação católica, explica que a história será protagonizada por Liam Neeson (Padre Cristóvão Ferreira), Adam Driver (Padre Francisco Garrpe) e Andrew Garfield (Padre Sebastião Rodrigues), e tratará de dois jovens jesuítas que vão ao Japão em busca de um missionário que perdeu sua fé após sofrer inúmeras torturas. Ali viverão a experiência da perseguição.

 

17aeae533b97dabbe27b5bbfd8a56249.jpg

 

Graças a um financiamento de duas produtoras cinematográficas, a Fabrica de Cine e a SharpSword Films, Martin Scorsese viu um sonho antigo seu realizado. “Silence”, o filme baseado no livro homónimo do escritor japonês Shusaku Endo, foi gravado em Taiwan.


Após a leitura do livro, Martin Scorsese começou de imediato a trabalhar na sua adaptação ao cinema, com a ajuda do argumentista Jay Cocks, com quem já trabalhou em diversas obras. Entretanto interrompido por outros projetos, o guião só ficou terminado em 1996.


“Silence” é um filme sobre as raízes da fé religiosa, uma questão que acompanha Scorsese desde cedo, conforme revelou, em 2013, à Variety: “Este tema é algo que sempre fez parte da minha vida. Para as pessoas que estão de fora é difícil entender o mundo em que eu cresci, o do catolicismo romano na Nova Iorque dos anos 1950. Fiquei tão impressionado que tentei fazer parte desse mundo, mas aos 15, 16 anos percebi que era muito mais duro e complicado do que eu tinha pensado… em termos de vocação”


O realizador disse ainda que ficou marcado pela “simplicidade complexa” do livro e pela forma como a história se liberta de dogmas “e tentar lidar apenas com a essência… da Cristandade, de Jesus”.


Em 2009, começou a produção a fundir-se, com Daniel Day-Lewis, Benicio del Toro e Gael García Bernal em negociações para fazerem parte do elenco. No entanto, “Silence” mergulhou em mais um hiato quando Scorsese tomou a decisão de trabalhar em “Shutter Island” e “Hugo” em seu lugar. Em 2010, Del Toro distanciou-se parcialmente do projeto durante a promoção de The Wolfman, afirmando: "Seria um sonho trabalhar com Scorsese mas “Silence”, o filme em que íamos trabalhar foi adiado, mas definitivamente é algo que está agendado nos meus projetos futuros”, todavia tal não aconteceu, o que não se interpôs no caminho de Scorsese agarrar grandes nomes como Liam Neeson e fazer usufruto do seu próprio estatuto dourado no mundo da sétima arte para entrar na corrida aos Óscares de 2017.

 

silence-1.jpg

 

Texto & Crítica: Vanessa Paquete 2016 ©

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.