Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

FIFTY SHADES OF VANESSA PAQUETE

FIFTY SHADES OF VANESSA PAQUETE

DIOGO MORGADO COMO NUNCA O VIRAM ANTES EM RED BUTTERFLY

Sem Título21.jpg

 

Diogo Morgado que – presentemente – se encontra intrinsecamente envolvido no projeto CSI:CYBER onde o poderemos ver como o agente Vega ao lado da oscarizada Patrícia Arquette que, na sua conta de Twitter, não poupou elogios a integração do nosso português mais internacional do momento na prestigiada série frisando a sua humildade, está a tornar-se num caso sério e legitimo de sucesso!


Para provar tal teoria basta dar uma espreitadela no seu mais recente trabalho: Red Butterfly, gravado em finais de 2011 quando Diogo ainda não havia transposto o umbral do mundo de Hollywood pregado numa cruz que elevá-lo-ia a estrela planetária. É comummente sabido que Diogo não aprecia bajulação barata, tampouco que lhe atribuam epítetos hollywoodescos ou lhe confiram estatutos, quiçá, porque por detrás de todo a máquina da indústria cinematográfica de Hollywood ainda viva o “ miúdo da margem sul “ que apanhava o cacilheiro para Lisboa para as gravações dos seu primeiro trabalho e o fazia a par com os estudos.

 

Hoje, com dezassete anos de carreira, passou um pouco por todos os registos que existem a nível nacional; deste teatro, revista, musicais, comédia, cinema e ficção nacional. Diogo é aquilo a que se chama um perpétuo estudioso, uma TOUR DE FORCE, um ator que ousa arriscar e atirar-se no abismo porque sabe, de antemão, que o não está garantido à partida. Mas tudo isto Diogo fá-lo por amor a uma característica que muito aprecia: a proactivade e a determinação. Usa e abusa da emoção quando o SCRIPT assim o exige, mas só quando o SCRIPT assim o solicita porque se existe algo em Diogo que se encontra bem vincando na sua personalidade é a clara diferenciação entre a realidade da sua vida quotidiana onde o equilíbrio, a ponderação e a equação do risco parecem ser uma constante e os papeis que interpreta no ecrã.

 

Já foi apelidado por alguns de um jovem Marlon Brando. No seu mais recente filme, Red Butterfly (estreado a 07 Outubro de 2015), Diogo encarna o papel de jovem galã/músico a gladiar-se com a dicotomia entre o bem e o mal, o justo e o incorreto e fá-lo trazendo as luzes da ribalta no seu look um pouco a mística de um jovem James Dean! Se olharmos um pouco mais amiúde e recuarmos no tempo é inegável: existe algo de muito apelativo e atrativo em Diogo Morgado em RED BUTTERFLY que nos aviva reminiscências até de um jovem River Phoenix. Diogo possui todas as características desses sex-symbols de Hollywood, cujas carreiras saltaram para a ribalta a par com um talento inquestionável!

 

ADcHDauH8auLnZ7PV-MdkPWJXo9GvmX2KPKyGj5Uxp0.png

 

Diogo aterrou em Hollywood no novo milênio e entrou pela porta da frente com o papel mais significativo de qualquer carreira cinematográfica: o de Jesus Cristo! Poucos atores poderão gabar-se de ter interpretado no grande ecrã a estória mais conhecida e universal de todos os tempos; a do homem que se sacrificou pela humanidade e que para sempre será citado em escrituras, salmos, cânticos, livros, preces e liturgias! Uma responsabilidade de peso para um ator português que já em 2007 dava cartas no baralho ao interpretar o papel de Santiago Medina na telenovela “ Vingança “ ; uma adaptação de um produto sul-americano baseado no romance de Alexandre Dumas, o Conde de Monte Cristo!


Porventura, terá sido por essa altura que Diogo realizou-se por completo enquanto ator numa narrativa onde o drama e o romance imperavam par a par com uma mescla de ação internacional e vários confrontos psíco-emocionais; algo extremamente inédito e vanguardista num produto de ficção nacional, o que fez de “ Vingança “ uma das telenovelas mais aclamadas até hoje pelo público português. Mal a finalizou, Diogo rumou a Hollywood para ingressar num curso de realizador. Premonições e bons agouros aparte, “ Vingança “ que – curiosamente – iniciar-se-ia em Marrocos (mesmo local onde foi filmada a série e o filme que lhe traria reconhecimento internacional – A Bíblia), parecia tratar-se de um sinal, era como se existisse naquele trabalho de Diogo um leve desígnio do que  passar-se-ía alguns anos mais tarde.


Para quem acredita: MAKETUB!

 

R butterfly1.jpg

 

Em “ Vingança “ já existiam cenas de ação, agentes policiais infiltrados e afins… Não sabemos ainda, pelas fotografias que temos visto, se Diogo irá saltar de carros em chamas ou atirar-se de helicópteros bem ao estilo de James Bond. Por ora, vemo-lo activérrimo, de arma em punho em sequências de ação em CSI:CYBER e em RED BUTTERFLY como o jovem Vega num cenário desolador onde este tem de se confrontar com as vicissitudes de um crime mal encoberto, uma amizade destruída pelo submundo da mafia, o controlo pelo poder e o naufrágio da sua namorada no mundo tumultuoso das drogas. Tendo tido a sua apresentação no ano passado no Festival de Stº Louis, o trabalho que foi filmado em vinte dias apenas, num esforço extenuante e trabalhoso do seu elenco que inclui nomes sonantes da indústria como Wilson Heredia (vencedor de um Tony Award), RED BUTTERFLY foi na realidade o primeiro trabalho de Diogo nos Estados-Unidos daí a sua suma importância; a sua interpretação é densa, profunda, assustadoramente credível para alguém que não havia feito nada do gênero até a data, a não ser um filme bilingue STAR CROSSED; uma adaptação algo sui generis de um Romeu e Julieta moderno, com futebol à mistura e filmado na nossa cidade Invicta, o Porto!

 

Sem Título22.jpg

 

Evidentemente que a credibilidade e a interpretação apaixonante e verosímil de Diogo é fruto não só do seu esforço e empenho enquanto ator, mas também da excelente realização do produtor Jon Alston que – numa produção independente e de baixo orçamento – conseguiu trazer laivos de alguns trabalhos de outros realizadores para o seu projeto. Nas cenas mais violentas, a memória aviva-se-nos com nuances da ambiência do grande Quentin Tarantino. Vermelho fogo é a cor predominante; a cor vermelha dita a tragédia. Toda a dramaturgia fatalista e decadente traz-nos a lembrança algumas peças shakespearianas e uma pitada do suspense de David Lynch (até a própria banda-sonora nos remete para isso). Diogo que coloca perfecionismo em tudo aquilo a que se propõe não falha ! Mel a mais? Talvez! Contudo, quando vemos um ator a singrar e a escalar lanços de escadas num universo que ainda nos parece algo surreal e distante do nosso quotidiano, há uma tendência a exagerar nas hipérboles e nos adjetivos; afinal de contas ele ainda continua a ser o nosso “ Diogo “!

 

FFQ_t7XYPCsqiMgHxzRU2AYP8SzIwWFrPmnaEmuxlwk.png

 

Em RED BUTTERFLY Tonio (Diogo Morgado) deve salvar a sua amada de um vício perigoso enquanto a sua lealdade ao seu melhor amigo com sede de poder os leva a uma série de eventos com consequências fatais. Pelo meio, a oferta aliciante e catalisadora de um grande dilema, de servir de testemunha a polícia, faz Tonio mergulhar no caos e num conflito interior e colocá-lo entre a espada e a parede; deverá Tonio agir como o homem de boa índole que é ou tão simplesmente privilegiar a sua amizade de infância e não entregar o seu melhor amigo?

 

Design de Flyers: Vanessa Paquete 2015 ©

Texto & Crítica: Vanessa Paquete 2015 ©

Todos os Direitos Reservados ®

 

 

 

 

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.